Arquidiocese cria associação para a reintegração de egressos na sociedade

A Arquidiocese de Ribeirão Preto, por intermédio da Pastoral Carcerária, passa a contar com a “Associação Franz de Castro Holzwarth”, com o nome de fantasia: “Associação Bom Samaritano de Ribeirão Preto”, criada em assembleia realizada no dia 19 de dezembro de 2018, a associação tem a proposta e o objetivo de promover a assistência aos egressos do sistema prisional. A associação consiste em um centro de atendimento e assessoramento, onde os egressos (as) ao saírem do sistema prisional recebam orientações, encaminhamento, acompanhamento para sua ressocialização.

Na noite de 21 de fevereiro, no Centro Arquidiocesano de Pastoral, ocorreu a cerimônia de posse da diretoria. A composição da mesa contou com as presenças do arcebispo Dom Moacir Silva; do coordenador arquidiocesano da Pastoral Carcerária, Antônio Carlos dos Santos; do coordenador estadual da Pastoral Carcerária, Deyvid Tadeu Livrini Luiz; da coordenadora da Associação Bom Samaritano de São Carlos, Margarida Maria Neo Roncon; do egresso Carlos Antônio Nogueira de Andrade; do representante da Prefeitura Municipal, coronel Renato Cabral Catita; e do representante da Câmara Municipal, vereador João Batista Malheiro.

O coordenador estadual da Pastoral Carcerária, Deyvid Tadeu Livrini Luiz, parabenizou a iniciativa da implantação da associação. “É com muita alegria que nós vemos este trabalho que dará frutos e seja um farol, uma luz de esperança para os nossos irmãos e irmãs, egressos e egressas. Os dados do sistema prisional são alarmantes e preocupantes, então iniciativas como esta que a Igreja sempre procura encabeçar e dirigir fazem com que esses nossos irmãos possam ter esperança de um futuro e um recomeço de sua vida”, expressou David.

O serviço de evangelização da Pastoral Carcerária foi de grande importância na vida do egresso e estudante de direito,  Carlos Antônio Nogueira de Andrade: “Parabenizo o trabalho e o esforço de vocês (Pastoral Carcerária), todas as vidas alcançadas, e eu posso dizer que sou fruto desse trabalho. Todas as sementes plantadas, todas as cultivações e momentos de regar gerou o que eu sou hoje, graças a Deus, eu sou uma pessoa agraciada por Deus, tenho a oportunidade de cursar o curso de direito, e em breve serei advogado, e poderei lutar pela causa das pessoas que querem uma oportunidade”.

A inspiração para a implantação da associação em Ribeirão Preto vem da experiência de 13 anos da Associação Bom Samaritano de São Carlos, que apoiou, colaborou e deu suporte para a instituição do projeto em Ribeirão Preto. A coordenadora da Associação Bom Samaritano de São Carlos, Margarida Maria Neo Roncon, salientou a missão da Pastoral da Carcerária no apoio e reinserção do egresso na sociedade. “Hoje é um dia muito importante para a Arquidiocese e que vai ficar na história, o dia em que a Associação Bom Samaritano de Ribeirão Preto está sendo constituída. A Associação Bom Samaritano de São Carlos nasceu do trabalho da Pastoral Carcerária dentro dos presídios. O preso se torna egresso ao final do processo quando termina o cumprimento da pena, e a pastoral está presente nos presídios para levar a Palavra de Deus, assistir a família dos presos, que são duas vertentes já feitas pelos agentes da pastoral, mas faltava este trabalho de acompanhar fora do presídio, a complementação da missão que é o apoio e ajuda na ressocialização”, salientou Margarida.  

Para o arcebispo Dom Moacir Silva a associação tem a meta de ser um serviço de resgate e ressocialização do egresso. “Hoje é um dia muito especial para a Arquidiocese de Ribeirão Preto, e particularmente para a Pastoral Carcerária de nossa arquidiocese, com esta semente que está sendo lançada, uma ‘pessoa jurídica’ que precisa dar os seus passos, se estruturar com tranquilidade, confiando na graça de Deus, no discernimento, na colaboração das pessoas, para que a Associação Bom Samaritano de Ribeirão Preto ganhe corpo e realize a sua função e ajude a tantas pessoas a serem reintegradas na vida, na sociedade, na família, pessoas sendo reconstruídas no trabalho que começa lá nas visitas aos cárceres, e depois, vai produzir o seu fruto por meio desta organização. É um instrumento de Deus, um instrumento de humanidade, um instrumento de ajudar a pessoa a ser mais pessoa, e assim, a pessoa poder viver a dignidade que ela recebeu de Deus por ter sido criada a imagem e semelhança de Deus. E não existe nada melhor neste mundo do que ajudar pessoas. Somos mais nós mesmos quando somos capazes de ajudar os outros. Nos entendemos melhor como pessoas humanas quando sabemos sair de nós para encontrar o outro e partilhar com o outro a nossa experiência humana, nossa experiência de fé, nossa experiência de vida. Por isso é um dia especial e fica registrado para todos nós e para a Igreja de Ribeirão Preto como um marco no serviço aos irmãos e irmãs aos quais Jesus quis se identificar quando diz no Evangelho: ‘Estive preso e fostes me visitar’”, afirmou o arcebispo.

Diretoria - A “Associação Franz de Castro Holzwarth” foi empossada e conta com a seguinte diretoria: Presidente: José Alexandre Pereira; Tesoureiro: André de Souza Fernandes; Secretário: Henrique Rezende Cardoso Bueno; 1º Suplente: Valdenir da Silva Pastorelli; 2º Suplente: Mariana Aquino Vieira; Conselho Fiscal: Titulares: Antônio Carlos dos Santos; Rafael Carlos dos Santos Ribeiro e Cléa Borges dos Santos. O presidente da associação, José Alexandre Pereira, enalteceu a implantação da associação na arquidiocese e pediu orações pelo novo trabalho. “Este trabalho nasceu do coração e através de conversas da Pastoral Carcerária com Dom Moacir decidimos instituir a associação, e quando é um projeto de Deus as coisas vão aparecendo. Nós pedimos as orações de todos para que sempre caminhemos com Jesus à nossa frente e possamos levar o egresso a inclusão social”, concluiu Pereira.