Paróquia São Paulo Apóstolo celebra jubileu de ouro

Localizada no Jardim Paulista, paróquia São Paulo Apóstolo celebra 50 anos de sua fundação, juntamente com a data que marca a conversão do padroeiro, São Paulo

Junto aos fiéis paroquianos, a Paróquia São Paulo Apóstolo, localizada no Jardim Paulista, em Ribeirão Preto, comemora 50 anos de história, anos que são hoje a base para trabalhos paroquiais que ultrapassaram as barreiras do tempo e que ao longo desse período forma cristãos católicos.

Antes apenas um salão, ponto de encontro da juventude do bairro Jardim Paulista, ainda em formação no início de 1960, o Salão do Ypê, como ficou conhecido, era o local que abrigava reuniões, jogos e até mesmo bailinhos. O sonho de iniciar ali uma obra de evangelização já existia e por determinação do então bispo da época, Dom Luís do Amaral Mousinho começou a se formar. Com a decisão do bispo, o monge beneditino Dom Aparício Alves dos Santos passou a cultivar em seu coração o sonho de evangelização do bairro que crescia de maneira promissora. Aos poucos, o jovem padre cativou os primeiros e futuros paroquianos.

O terreno doado pela Família Viana deu espaço ao salão entre os anos de 1960 e 1964. Iniciando trabalhos como uma comunidade, a futura Igreja contou com a dedicação de todos, jovens e casais empenhados. Tijolo a tijolo as paredes do templo foram erguidas, após o sólido alicerce, Cristo Jesus. “A pedido do bispo, Dom Aparício dispersou as atividades realizadas no salão para, de fato, iniciarem atividades da igreja e seus movimentos”, explica a paroquiana Maria Helena Rodrigues de Camargo, secretária, conhecedora da história da Paróquia São Paulo Apóstolo e paroquiana há 48 anos. De acordo com ela, na época o bairro tinha cerca de 50 casas, não tinha asfalto, as ruas ainda em crescimento. “Devagar, Dom Aparício e casais da comunidade conseguiram recursos junto à prefeitura e assim, melhorias para o bairro, consequentemente para a comunidade”, conta ela.

Nascia assim, em 25 de janeiro de 1969 a Paróquia São Paulo Apóstolo sob a responsabilidade do pároco Dom Aparício, - episcopado de Dom Frei Felício César da Cunha Vasconcellos – 3º arcebispo da arquidiocese de Ribeirão Preto entre 1965 e 1972 - tão esperada por todos.  A data propícia deu a Igreja um padroeiro destemido que de perseguidor passou a perseguido, marco da sua conversão, que é uma das mais importantes da Igreja. Ela mostra o poder da graça divina. As celebrações eucarísticas aconteciam aos finais de semana e não demorou muito para as primeiras atividades pastorais surgirem, eram visitas missionárias às casas com o objetivo de evangelizar os moradores, o que os fez entender a necessidade de auxílio às famílias. Nasceu então a Promoção Humana, movimento pastoral que segue vivo na paróquia até os dias de hoje, equipe do dízimo, além de grupo de oração e o primeiro ECC da arquidiocese, que foi realizado na Igreja -  movimento consolidado e ativo da paróquia ainda hoje. Ao longo do tempo as atividades foram crescendo, novos fiéis foram chegando e o local, antes ponto de encontro da juventude, ganha o Grupo de Jovens Sal da Terra, batizado pelo pároco. São décadas formando jovens cristãos, já que este grupo continua ativo, passando de pai para filho.

Em 50 anos de história o trabalho pastoral levou os ensinamentos cristãos a muitos, foram 4.168 batizados, 885 casamentos e 1.250 crismandos, pessoas que buscaram a Palavra e a encontraram na Paróquia, além de inúmeros fiéis paroquianos que frequentam diariamente a igreja. Assim, milhares de pessoas passaram pela paróquia e inúmeras deixaram sua marca. O primeiro pároco, Dom Aparício, falecido em 27 de maio de 1997, cumpriu sua missão, após sua morte, padre Marcelo Luiz de Sousa, que já trabalhava na paróquia como seminarista e depois como diácono, seguiu com a missão de pastorear e assim o fez dando continuidade às atividades e iniciando novas, levando a Palavra de Deus aos fiéis com o apoio de Dom Arnaldo Ribeiro, então arcebispo. Neste período, sob a responsabilidade de Padre Marcelo, a Igreja passou por reformas, foi ampliada e ganhou uma comunidade com a construção da Capela Nossa Senhora de Lurdes, no Jardim Macedo. 

Em 14 de fevereiro de 2016, com sua morte, chega ao fim a relação de Padre Marcelo com a Paróquia onde exerceu seus anos de sacerdócio. Padre Elviro Pinheiro da Silva Júnior, então reitor do Seminário de Brodowski, e amigo de Padre Marcelo, já o auxiliava com o trabalho realizado na Paróquia e foi então nomeado o terceiro Pároco da Paróquia São Paulo Apóstolo pelo arcebispo de Ribeirão Preto, Dom Moacir Silva. Hoje, Padre Elviro tem a missão de pastorear seu rebanho que em 50 anos nasceu, cresceu e continua a dar muitos frutos através da Palavras semeada pelos pastores, religiosos e leigos que gastaram suas vidas pelo Reino de Deus. De acordo com ele, relembrar é uma maneira de viver o amanhã. “Celebrar o jubileu de ouro é fazer uma retomada da história. Acredito que esta festa jubilar nos leva a celebrar cheios de gratidão o nosso passado para vivermos o presente de forma apaixonada e lançar um olhar de esperança para o futuro”, enfatiza Padre Elviro.
 

Juliana Castro de Souza Garcia
Jornalista – MTB 67.270/SP